CONGREGATIO DE CULTU DIVINO
ET DISCIPLINA SACRAMENTORUM

Prot. N. 618/13/L

Dia 5 de Outubro

B. FRANCISCO XAVIER SEELOS, presbítero

Memória

Nasceu em Fuessen na Alemanha em 1819. Iniciado os estudos no seminário diocesano, conheceu a Congregação do Santíssimo Redentor. Foi para a América do Norte e, chegando aos Estados Unidos a 20 de Abril de 1843, entrou no noviciado, recebeu a ordenação sacerdotal a 22 de Dezembro de 1844. Iniciou seu ministério pastoral em Pittsburg na Pensilvânia como colaborador do confrade São João Neumann, desenvolvendo, ao mesmo tempo, a tarefa de mestre dos noviços e dedicando-se à pregação. Dedicou-se, depois, a tempo pleno, à actividade missionária itinerante, pregando em inglês e em alemão em diversos estados da América do Norte. Morreu em Nova Orleans a 4 de Outubro de 1867 na idade de 48 anos. João Paulo II o beatificou a 9 de Abril 2000.

Do Comum dos Pastores ou do Comum dos Santos Religiosos, excepto o que segue:

Ofício das Leituras

Segunda leitura

Das Cartas do Bem-Aventurado Francisco Xavier Seelos, presbítero

(Arquivo dos Redentoristas da Província de Baltimore)

Nada antepor ao amor de Deus

A vontade de oferecer a Deus um sacrifício sempre mais me impulsiona a abraçar tudo o que eu tenha amado nesta vida e sobre o que pousou meu coração.

Se considero as belezas da natureza, não sinto saudade ou melancolia; pelo contrário, sinto que uma enorme alegria me invade porque, não tendo dons reais e concretos para apresentar a Deus, posso consagrar a Ele os frutos da imaginação e de minhas esperanças. Ao mesmo tempo, embora exultante pela boa sorte, não consigo afastar de mim a convicção de que, uma vez no céu, Deus me compensará e preencherá meu espírito de todos os bens aos quais, em seu nome, renunciei na terra. Para isso rezo ardentemente.

Portanto, o noviciado e seu complemento, a profissão dos votos, a vida com os confrades da Congregação e, sobretudo, a íntima convicção da obrigação de cultivar, do melhor modo possível conforme minhas possibilidades, esses dons, de modo que nenhum outro posso desejar, senão atender do melhor modo possível a minhas obrigações -: essas foram para mim as primeiras bênçãos da misericórdia divina.

Tudo o que fiz é completamente estranho à minha natureza. Mas justamente a alegre aceitação dessas provações, na infinita graça do Senhor, revelou a meus olhos o mistério da renúncia e da perseverança nesta terra, pelo que sinto que sou demasiadamente feliz por ter comigo meus confrades, com todas as bênçãos, espirituais e temporais, que disso provêm. Coisa ainda mais importante, Deus me elevou até à missão de anunciar o Evangelho aos pobres e de ensinar e dividir com eles seus tesouros.

Cada oferta tem valor somente se for tirada dos próprios bens e dedicada a Deus através desse ato de domínio de si mesmo e de abnegação. O homem ama e dá justamente porque sabe amar e porque considera o que lhe é dado como um bem, como um tesouro. O amor para com as criaturas deve estar subordinado ao amor de Deus, ao qual devemos empenhar-nos para amar sobre todas as coisas. O tempo no qual nada encontramos para dar ao Senhor está perdido para a eternidade, quer sejam somente as obrigações derivantes de nossa vocação que praticamos e consagramos à vontade de Deus, quer seja o suor de nosso rosto que, com resignação, enxugamos sem queixar-nos, quer sejam os sofrimentos, as tentações, as dificuldades que encontramos com nossos semelhantes: tudo podemos apresentar a Deus como uma oferta e poderemos, graças a isso, tornar-nos como seu Filho Jesus.

Onde o sacrifício é grande e multiforme, aí, na mesma proporção, a esperança da glória está radicada muito mais profundamente e de modo mais seguro no coração daquele que o suporta.

Responsório                                                                    Sal 119, 1-2; Mc 8, 34

R./  Bem-aventurado o homem de comportamento íntegro que caminha na lei do Senhor. * Bem-aventurado quem é fiel a seus mandamentos e o procura com todo o coração.

V./ Se algum de vós que vir após mim, renegue-se a si mesmo, tome sua cruz e siga-me.

R./ Bem-aventurado quem é fiel a seus ensinamentos * e o procura com todo o coração.

 Oração

 Ó Deus, que enriquecestes de singular caridade o Bem-Aventurado Francisco Xavier Seelos e o enviastes para anunciar o mistério da redenção e para confortar os aflitos, concedei-nos, por sua intercessão, trabalhar com zelo por vossa glória e pela salvação da humanidade. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus e convosco reina na unidade do Espírito Santo, para sempre. Amén. 


Back to Liturgical Texts